center

.

.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Aniversariantes de Agosto

Vida:
01/08 - Pe. Alexandre
14/08 - Pe. Jaime
24/08 - Pe. Gilvan

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Encontro Internacional da Juventude Vicentina

Encontro Internacional da Juventude Vicentina, em Belo Horizonte de 18 a 21 de julho. Eram mais de mil jovens vindos das diversas partes do mundo, de diferentes nacionalidades, pertencentes a Família Vicentina. Também contou-se com a presença de padres da Congregação da Missão, religiosos de São Vicente de Paulo, Filhas da Caridade e Irmãs de São Vicente de Paulo de Gayssegen.
Representando a Província de Fortaleza da Congregação da Missão estavam o Padre Raimundo Nonato Candido e o estudante José Calos do teologado.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Oração do Encontro Internacional da Juventude Vicentina

 Deus da vida e do amor,
nós vos louvamos e agradecemos,
porque nos chamais a seguir vosso Filho Jesus,
nas trilhas de São Vicente de Paulo.

Conheceis o nosso íntimo e sabeis do bem de que somos capazes. Fazei-nos descobrir o sentido da vida no ardor da caridade e da missão, como amigos solidários dos pobres, artesãos da justiça e da paz.

Vós, Senhor, sois a alegria de nossa juventude, tornai-nos fecundos na oração, criativos no serviço e audazes nas tentativas, missionários de vossa caridade, vicentinos felizes, livres e comprometidos, no caminho do vosso Reino.

Amém.

Papa concede indulgência para participantes da JMJ Rio2013

O Papa Francisco promulgou o decreto que concede indulgência aos participantes da Jornada Mundial da Juventude (JMJ Rio2013). De acordo com o texto do decreto, a indulgência pode ser recebida por todos que os participarem da JMJ, até mesmo espiritualmente. O decreto foi assinado em 2 julho pela Penitenciaria Apostólica.
O decreto explica que será concedida a Indulgência parcial aos fiéis, onde quer que se encontrem durante a Jornada. Para isso, os jovens precisam rezar pelas intenções do Sumo Pontífice elevando fervorosas orações a Deus, concluindo com a oração oficial da Jornada Mundial da Juventude. Os fiéis devem invocar a Santa Virgem Maria, Rainha do Brasil, sob o título de "Nossa Senhora da Conceição Aparecida", bem como aos outros patronos e intercessores da Jornada a fim de que estimulem os jovens a se fortalecerem na fé e a caminharem na santidade. Os jovens também devem se confessar e comungar.
Veja abaixo a íntegra do decreto
Penitenciaria Apostólica
Rio de Janeiro
Decreto
Concede-se o dom das Indulgências por ocasião da "XXVIII Jornada Mundial da Juventude", que será celebrada no Rio de Janeiro durante o corrente Ano da Fé.
O Santo Padre Francisco, desejando que os jovens, em união com os fins espirituais do Ano da Fé, convocado pelo Papa Bento XVI, possam obter os frutos esperados de santificação da "XXVIII Jornada Mundial da Juventude, que se celebrará de 22 a 29 do próximo mês de Julho, no Rio de Janeiro, e que terá por tema: 'Ide e fazei discípulos por todas as nações' (cfr. Mt 28, 19)", na Audiência concedida no passado 3 de junho ao subscrito Cardeal Penitenciário-mor, manifestando o coração materno da Igreja, do Tesouro das satisfações de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Beatíssima Virgem Maria e de todos os Santos, estabeleceu que todos os jovens e todos os fiéis devidamente preparados pudessem usufruir do dom das Indulgências como determinado:
a) Concede-se a Indulgência plenária, obtenível uma vez por dia mediante as seguintes condições (confissão sacramental, comunhão eucarística e oração segundo as intenções do Sumo Pontífice) e ainda aplicável a modo de sufrágio pelas almas dos fiéis defuntos, pelos fiéis verdadeiramente arrependidos e contritos, que devotamente participem nos ritos sagrados e exercícios de piedade que terão lugar no Rio de Janeiro.
Os fiéis legitimamente impedidos, poderão obter a Indulgência plenária desde que, cumprindo as comuns condições espirituais, sacramentais e de oração, com o propósito de filial submissão ao Romano Pontífice, participem espiritualmente nas sagradas funções nos dias determinados, desde que sigam estes ritos e exercícios piedosos enquanto se desenrolam, através da televisão e da rádio ou, sempre que com a devida devoção, através dos novos meios de comunicação social;
b) Concede-se a Indulgência parcial aos fiéis, onde quer que se encontrem durante o mencionado encontro, sempre que, pelo menos com alma contrita, elevem fervorosamente orações a Deus, concluindo com a oração oficial da Jornada Mundial da Juventude, e devotas invocações à Santa Virgem Maria, Rainha do Brasil, sob o título de "Nossa Senhora da Conceição Aparecida", bem como aos outros Patronos e Intercessores do mesmo encontro, de modo a que estimulem os jovens a se fortalecerem na fé e a caminharem na santidade.
Para que os fiéis possam mais facilmente participarem destes dons celestes, os sacerdotes, legitimamente aprovados para ouvir confissões sacramentais, com ânimo pronto e generoso se prestem a acolhê-las e proponham aos fiéis orações públicas, pelo bom êxito desta "Jornada Mundial da Juventude".
O presente Decreto tem validade para este encontro. Não obstante qualquer disposição contrária.
Dado em Roma, na Sede da Penitenciaria Apostólica, no dia 24 de Junho do ano do Senhor de 2013, na solenidade de São João Batista
Cardeal Manuel Monteiro de Castro
Penitenciário-mor
Mons. Krzysztof Nykiel
Regente

FONTE: http://www.cnbb.org.br

DE 19-21 DE JULHO EM BH - ENCONTRO INTERNACIONAL DA JUVENTUDE VICENTINA

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Festa do Apóstolo São Tomé

Das Homilias sobre os Evangelhos, de São Gregório Magno, papa.

(Hom. 25,7-9:PL76,1201-1202)(Séc.VI)

 

Meu Senhor e meu Deus !

Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio (Jo 20,24). Era o único discípulo que estava ausente. Ao voltar, ouviu o que acontecera, mas negou-se a acreditar. Veio de novo o Senhor, e mostrou seu lado ao discípulo incrédulo para que o pudesse apalpar; mostrou-lhe as mãos e, mostrando-lhe também a cicatriz de suas chagas, curou a chaga daquela falta de fé. Que pensais, irmãos caríssimos, de tudo isto? Pensais ter acontecido por acaso que aquele discípulo estivesse ausente naquela ocasião, que, ao voltar, ouvisse contar, que, ao ouvir, duvidasse, que, ao duvidar, apalpasse, e que, ao apalpar, acreditasse?
Nada disso aconteceu por acaso, mas por disposição da providência divina. 
A clemência do alto agiu de modo admirável a fim de que, ao apalpar as chagas do corpo de seu mestre, aquele discípulo que duvidara curasse as chagas da nossa falta de fé. A incredulidade de Tomé foi mais proveitosa para a nossa fé do que a fé dos discípulos que acreditaram logo. Pois, enquanto ele é reconduzido à fé porque pôde apalpar, o nosso espírito, pondo de lado toda dúvida, confirma-se na fé. Deste modo, o discípulo que duvidou e apalpou tornou-se testemunha da verdade da ressurreição.  
Tomé apalpou e exclamou: Meu Senhor e meu Deus! Jesus lhe disse: Acreditaste, porque me viste? (Jo 20,28-29). Ora, como diz o apóstolo Paulo: A fé é um modo de já possuir o que ainda se espera, a convicção acerca de realidades que não se vêem (Hb 11,1). Logo, está claro que a fé é a prova daquelas realidades que não podem ser vistas. De fato, as coisas que podemos ver não são objeto de fé, e sim de conhecimento direto. Então, se Tomé viu e apalpou, por qual razão o Senhor lhe disse: Acreditaste, porque me viste? É que ele viu uma coisa e acreditou noutra. A divindade não podia ser vista por um mortal. Ele viu a humanidade de Jesus e proclamou a fé na sua divindade, exclamando: Meu Senhor e meu Deus! Por conseguinte, tendo visto, acreditou. Vendo um verdadeiro homem, proclamou que ele era Deus, a quem não podia ver.

Alegra-nos imensamente o que vem a seguir: Bem-aventurados os que creram sem ter visto (Jo 20,29). Não resta dúvida de que esta frase se refere especialmente a nós. Pois não vimos o Senhor em sua humanidade, mas o possuímos em nosso espírito. É a nós que ela se refere, desde que as obras acompanhem nossa fé. Com efeito, quem crê verdadeiramente, realiza por suas ações a fé que professa. Mas, pelo contrário, a respeito daqueles que têm fé apenas de boca, eis o que diz São Paulo: Fazem profissão de conhecer a Deus, mas negam-no com a sua prática (Tt 1,16). É o que leva também São Tiago a afirmar:A fé, sem obras, é morta (Tg 2,26

 

Homilia do Papa Francisco: Só existe uma forma de realmente conhecer a Cristo - beijar as suas feridas nas pessoas que sofrem

Beijar as feridas dos pobres e dos necessitados para encontrar o Deus vivo

Roma,

São Tomé "foi um teimoso", mas "Cristo quis justamente um teimoso" para afirmar plenamente a sua divindade. O papa Francisco, na missa de hoje na Casa Santa Marta, lança nova luz sobre a figura do apóstolo cuja festa litúrgica é celebrada hoje e que se tornou conhecido na história como "o incrédulo".
Partindo do seu gesto de querer "tocar nas chagas de Cristo para acreditar", o Santo Padre deu hoje mais uma indicação a quem quer seguir o caminho que leva até Deus: beijar as feridas de Jesus em nossos irmãos em necessidade.
Comentando o evangelho do dia, que fala da aparição de Jesus aos apóstolos depois da ressurreição, o papa destacou a ausência de Tomé. Um fato não casual: Cristo, disse o papa, "quis que ele esperasse uma semana". Ele "sabe por que faz as coisas" e "dá para cada um de nós o tempo que acha melhor. Para Tomé, Ele deu uma semana".
Quando o apóstolo vê Jesus se revelando com o seu corpo "limpo, belíssimo e cheio de luz", mas ainda coberto de chagas, é "convidado a colocar o dedo na ferida dos pregos, a colocar a mão em seu lado trespassado". Tomé, fazendo este gesto, "não disse ‘É verdade: o Senhor ressuscitou’, mas foi ainda mais longe", disse o papa. Tomé afirmou: "Deus!" e o adorou, tornando-se "o primeiro dos discípulos a fazer a confissão da divindade de Cristo após a ressurreição".
Isso explica "a intenção do Senhor ao fazê-lo esperar", disse Bergoglio: "levar a sua descrença não apenas à afirmação da ressurreição, mas à afirmação da sua divindade". Porque há somente um caminho "para o encontro com Jesus-Deus: as suas feridas. Não há outro".
"Na história da Igreja", prosseguiu Francisco, "houve alguns enganos no caminho rumo a Deus". Alguns, disse ele, "acreditaram que o Deus vivo, o Deus dos cristãos, pode ser encontrado no caminho da meditação, indo ‘mais alto’ na meditação. Isso é perigoso", alertou: “muitos se perderam nessa estrada, porque, mesmo que até possam ter chegado ao conhecimento de Deus, nunca chegaram ao de Jesus Cristo, Filho de Deus, segunda Pessoa da Santíssima Trindade". É como "o caminho dos gnósticos", disse o pontífice, que "são bons, que trabalham", mas que não seguem o "caminho certo", e sim outro caminho "muito complicado", que "não leva a bom porto".
Há outros, disse o Santo Padre, que "pensaram que, para chegar até Deus, devemos nos mortificar, ser austeros, e escolheram o caminho da penitência e do jejum". Nem estes, no entanto, "chegaram até o Deus vivo, até Jesus Cristo Deus vivo". Eles "são os pelagianos, que acreditam que podem chegar lá com o seu próprio esforço", e que, portanto, erram completamente o caminho indicado por Jesus Cristo para encontrá-lo, isto é, "as suas chagas".
O problema é entender como e onde estão essas chagas de Cristo. O papa Francisco respondeu a esta pergunta afirmando: "Nós encontramos as feridas de Jesus fazendo as obras de misericórdia, ao corpo e à alma, e eu destaco ‘ao corpo’, dos nossos irmãos e irmãs que sofrem, que passam fome, que têm sede, que estão nus, que são humilhados, que são escravos, que estão presos, que estão no hospital".
"Essas são as chagas de Jesus hoje", reiterou, "e Jesus nos pede um ato de fé nele através destas chagas". É muito bom criar uma fundação para ajudar os necessitados, "mas se ficarmos só nesse âmbito, seremos apenas filantrópicos. Temos que tocar nas chagas de Jesus, acariciar as feridas de Jesus, cuidar das feridas de Jesus com ternura, temos que beijar as chagas de Jesus, e isso literalmente". Como São Francisco, que, depois de abraçar o leproso, "viu a sua vida mudar".
Em essência, concluiu o papa, "não precisamos de um curso de reciclagem para tocar no Deus vivo", mas "simplesmente sair às ruas", indo procurar, encontrar e tocar nas chagas de Cristo em quem é pobre, frágil, marginalizado. Uma coisa que não é simples nem natural. Por esta razão, exortou o Santo Padre, "peçamos a São Tomé a graça de ter a coragem de entrar nas feridas de Jesus com a nossa ternura e certamente teremos a graça de adorar o Deus vivo".

Video do Encontro Internacional dos Visitadores da Congregação da Missão.

Discurso de Abertura do Superior Geral Pe. Gregory



“Celebrando nuestro carisma: Señor, es bueno quedarnos aquí”

Mis queridos hermanos en San Vicente,
“Señor, es bueno quedarnos aquí”
Esta es una cita familiar de la Escritura, una que capta perfectamente cómo me encuentro estando aquí con ustedes hoy. La cita completa es: “Pedro dijo a Jesús “Señor, es bueno quedarnos aquí” (Mt. 17:4) Yo hago eco al sentimiento conmovedor de Pedro: ¡es bueno quedarnos aquí ! Hemos llegado de toda la Congregación del mundo entero para orar, reflexionar, estudiar, y aprender unos de otros. Es bueno que estemos aquí para explorar más ampliamente nuestra vocación Vinenciana y nuestro Carisma. Es bueno que estemos aquí en este punto intermedio entre nuestra Asamblea General de 2010 y nuestra próxima Asamblea para discernir juntos qué hemos realizado y qué queda todavía por hacer para cumplir las Líneas de Acción que acordamos para bien de la Congregación en 2010.
Como ustedes saben, esta cita de la Escritura es del relato de la Transfiguración, una fiesta que celebramos el próximo mes. Esta historia me fascina a varios niveles; quizás les intrigue también a ustedes. Siempre que la escucho, me pregunto a mi mismo sobre varios aspectos de esta historia. Por ejemplo: ¿Por qué tomó Jesús con él sólo a tres de los Doce a la montaña? ¿Porqué Pedro se precipita a construir tiendas o cabañas allí? ¿Qué movió a los discípulos para pasar de un temor tremendo a una fe reverencial en un tiempo tan corto? Y ¿por qué, después de una experiencia tan fuerte, dijo Jesús a los tres que no dijesen nada sobre esta experiencia hasta después de haber resucitado de entre los muertos?
Por favor, relájense: ¡no estoy aquí para implicarles en un asfixiante estudio de la Escritura y exégesis! Pero me gustaría usar esta hermosa historia como un telón de fondo para reflexionar en cómo podemos profundizar nuestro amor y práctica del carisma V icenciano hoy. La “Transfiguración” es un episodio que se nos presenta con ideas y analogías para nuestro viaje de la fe como individuos y como una comunidad. Es una lección sobre cómo abrirnos a la presencia transformadora de Jesús para que podamos vivir más plenamente nuestro carisma.

Encontro Internacional dos Visitadores da Congregação da Missão

Hoje iniciamos The CM Visitor's Meeting (Encontro Internacional de Provinciais da Congregação da Missão) in St. John's University, in New York - USA. Este encontro durará quinze dias e aqui trataremos de assuntos e decisões importantes sobre o presente e o futuro da Congreação da Missão. Peço a oração de todos por todos nós padres da missão: Prayer for Us, please!
Pe. Evaldo Carvalho
Visitador da Província de Fortaleza

Aniversariantes de Julho

05/07- Pe. Bonifácio
15/07- Pe. Lino Van Lin
24/07 - Pe. Jair

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Propedeutico: Seminaristas viajam para Visitar suas Familias.

Por Sem. Arthur Basílio
A partir de hoje começa em nosso Seminário Propedêutico o período de férias. Momento em que estaremos voltando para nossas casas, ao encontro do aconchego de nossos familiares e amigos.
Foi um semestre muito positivo graças a Deus! No início com algumas dificuldades, devido ao fato de não conhecermos uns aos outros, mas com o tempo fomos aprendendo através da convivência, dos estudos acadêmicos, das missões e da espiritualidade, a ser o que hoje podemos afirmar sem medo de errar: uma família!
Que bom poder ter esse sentimento dinâmico em nossas vidas. No mês de janeiro deixávamos nossas histórias de vida com um grande sentimento saudosista para poder morar em Fortaleza. Agora é o contrário! Saímos de Fortaleza para nossas histórias particulares, mas com uma grande saudade da nova família que constituímos. Não somos mais os mesmos! Agora fazemos parte de um novo modelo de vida, com o emblema vicentino marcado em nossos corações.
Somos muito gratos a todos vocês que durante todo esse semestre rezaram por nós, pelas nossas vocações, e pela suscitação de novas vocações! E humildemente pedimos que continuem rezando. E com a graça de Deus, no próximo semestre, estaremos todos de volta para a continuidade desse bonito projeto de vida!

Deus abençoe!!
 

Comemoração da Memória Litúrgica da Bem Aventurada Margarida Rutan ( Martir)

Margarida Rutan nasceu em 23 de abril de 1736, em Metz, na Lorena; foi batizada no mesmo dia. Margarida é a 8ª de 15 filhos. Marie Forat, sua mãe, é profundamente cristã e seu pai, Charles Gaspard Rutan, trabalhador honesto e corajoso. Com eles, ela aprende a acolher a vida como um dom de Deus.
Seu pai ensina a filha matemática e desenho. Em breve, ela é capaz de assumir a contabilidade da empresa de seu pai. Margarida ajudará toda a sua família até a idade de 21 anos.
Habitada por convicções profundas, ela compreende que Jesus a chama; com Ele, ela busca orientar suas forças ao serviço dos pobres.
Em 1756, Ir. Margarida Rutan entrou na Companhia das Filhas da Caridade para estar perto daqueles que sofrem ou que a história marginaliza e exclui. Ela deseja servi-los. Seguindo o Cristo, ela deseja suscitar a vida e a caridade ao seu redor, encorajar uma dinâmica de caridade. Durante 20 anos, ela coloca a serviço dos pobres, tudo o que ela é e recebe sem cessar de Deus e dos outros, aonde quer que os superiores a enviem.
Em 1779, seus superiores lhe confiam o serviço de uma comunidade no hospital de Dax. Durante dez anos, Ir. Margarida e suas Irmãs mantêm uma relação simples e fraterna com toda a população da cidade que lhes manifesta consideração, respeito e admiração.
1789, um período turbulento começa: a Revolução. Ele perturbou profundamente o país e atingiu pessoalmente Ir. Margarida, fazendo-lhe conhecer o sofrimento e a morte (9 de abril de 1794). É sua fidelidade ao Cristo e a Igreja que conduz Ir. Margarida ao martírio. Com efeito, a vida de Ir. Margarida era profundamente ancorada na pessoa de Cristo e sua Palavra. Cada dia, na escuta da Palavra, ela fazia a experiência do amor de Deus que modelava seu ser em profundidade e a comprometia a servir como Ele.
A exemplo de Cristo, Servo dos seus irmãos, ajoelhado para lavar os pés, Ir. Margarida deu sua vida para servir os pobres, os doentes e construir a fraternidade com todos.
A exemplo de Cristo, Servo da vontade do Pai, Ir. Margarida orientou toda a sua vida em relação ao Evangelho, desejando somente uma coisa: realizar a vontade de Deus.
A exemplo de Cristo, Servo Sofredor, desprezado, perseguido, Ir. Margarida se abandonou totalmente em Deus. Durante a tormenta revolucionária, ela testemunhou seu amor ao extremo.

Comemoração da Memória Litúrgica das Bem-Aventuradas Martires de Arrás.

Na época da tumultuada Revolução francesa, coroaram suas vida com o martírio, no serviço dedicado aos pobres e a fidelidade de sua Fé em Cristo e na Igreja as Filhas da Caridade: -Irmã Maria Madalena Fontaine, nascida em Etrepagny - França, a 22 de abril de 1723 e Filha da Caridade desde 9 de julho de 1748.
-Irmã Maria Francisca Lanel, nascida em Seine-Maritime-França a 24 de agosto de 1745 e Filha da Caridade desde 10 de abril de 1764.
-Irmã Teresa Madalena Fantou, nascida em Miniac-Morvan me-et Vilaine França, a 29 de julho de 1747 e Filha da Caridade desde 28 de setembro de1771.
-Irmã Joana Gerard, nascida em Cumiéres Meuse - França, a 23 de outubro de 1752 e Filha da Caridade desde 17 de setembro de 1776.
Essas Irmãs trabalhavam em Arras, todas dedicavam-se com amor às obras preferidas pelo coração de São Vicente: escola para as meninas pobres, visita a domicílio, assistência aos doentes em suas próprias casas e outros que em grande número freqüentavam o dispensário por elas mantido.
Em 1788 a França soma os horrores da Revolução e a Igreja chorava seus filhos barbaramente perseguidos. Em 2 de novembro a Assembléia Nacional, chamada Constituinte, confiscou todos os bens eclesiásticos, suprimiu as ordens e Congregações Religiosas, obrigando ao juramento à Constituição herética.
Como as Irmãs se negaram a prestar o juramento pedido, foram presas, no dia 5 de abril de 1794 e levadas para a prisão de Abbatiale, onde já existiam 500 outras senhoras prisioneiras. Parece que Deus providencialmente colocava no meio dessas infelizes senhoras, as quatro Filhas da Caridade, para servir-lhes de consolo e força à coragem abatida. Prisioneiras e condenadas às mesmas privações ajudá-las-iam a abandonarem-se à vontade de Deus.
No dia 5 de abril as Irmãs foram levadas para o interrogatório e condenadas à guilhotina. Encarceradas na prisão dos Baudets de onde só sairiam para a morte.
No dia 25 de junho de 1794, às 10 horas da noite, as Irmãs foram levadas de carruagem para Cambrai para serem guilhotinadas.
Antes de ser decapitada a Irmã Fontaine, dirigiu palavras de esperança e consolo ao povo dizendo: "Cristãos, escutai-me, nós seremos as últimas vítimas. Amanhã cessará a perseguição, o patíbulo será demolido e os altares de Jesus Cristo, ressurgirão gloriosos." Foram guilhotinadas, no dia 26 de junho de 1794. As palavras da Irmã Fontaine, cumpriram-se. Elas foram, de fato, as últimas vítimas da revolução.
O Papa Bento XV Beatificou-as em 13 de junho de 1920.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Encontro de Formação para Formadores em Aparecida/SP

Teve inicio no dia 21/06 no Seminário Bom Pastor, da Arquidiocese de Aparecida, um encontro de formação para formadores. O encontro será um momento propicio para intercâmbios: temas, vivências, socialização das experiências da formação em diversos lugares do Brasil. O Pe. Amedeo Cencini, assessor do encontro, dará uma contribuição singular:"A construção das relações na comunidade formativa". 
A conclusão do encontro culminará no dia 25/06, com a celebração Eucaristia, na Basílica de Nossa Senhora Aparecida, transmitida pela TV Aparecida as 9:00h.
Que Deus abençoe o Pe.Adriano, formador da etapa de Teologia, da Província de Fortaleza da Congregação da Missão, que participa deste encontro junto a tantos irmãos e irmãs formadores.

Natividade de São João Batista

Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo
Voz do que clama no deserto
A Igreja celebra o nascimento de João como um acontecimento sagrado. Dentre os nossos antepassados, não há nenhum cujo nascimento seja celebrado solenemente. Celebramos o de João, celebramos também o de Cristo: tal fato tem, sem dúvida, uma explicação. E se não a soubermos dar tão bem, como exige a importância desta solenidade, pelo menos meditemos nela mais frutuosa e profundamente. João nasce de uma anciã estéril; Cristo nasce de uma jovem virgem.
O pai de João não acredita que ele possa nascer e fica mudo; Maria acredita, e Cristo é concebido pela fé. Eis o assunto que quisemos meditar e prometemos tratar. E se não formos capazes de perscrutar toda a profundeza de tão grande mistério, por falta de aptidão ou de tempo, aquele que fala dentro de vós, mesmo em nossa ausência, vos ensinará melhor. Nele pensais com amor filial,a ele recebestes no coração, dele vos tornastes templos.
João apareceu, pois, como ponto de encontro entre os dois Testamentos, o antigo e o novo. O próprio Senhor o chama de limite quando diz: A lei e os profetas até João Batista (Lc 16,16). Ele representa o antigo e anuncia o novo. Porque representa o Antigo Testamento, nasce de pais idosos; porque anuncia o Novo Testamento, é declarado profeta ainda estando nas entranhas da mãe. Na verdade, antes mesmo de nascer, exultou de alegria no ventre materno, à chegada de Maria. Antes de nascer, já é designado; revela-se de quem seria o precursor, antes de ser visto por ele. Tudo isto são coisas divinas, que ultrapassam a limitação humana. Por fim, nasce. Recebe o nome e solta-se a língua do pai. Relacionemos o acontecido com o simbolismo de todos estes fatos.
Zacarias emudece e perde a voz até o nascimento de João, o precursor do Senhor; só então recupera a voz. Que significa o silêncio de Zacarias? Não seria o sentido da profecia que, antes da pregação de Cristo, estava, de certo modo, velado, oculto, fechado? Mas com a vinda daquele a quem elas se referiam, tudo se abre e torna-se claro. O fato de Zacarias recuperar a voz no nascimento de João tem o mesmo significado que o rasgar-se o véu do templo, quando Cristo morreu na cruz. Se João se anunciasse a si mesmo, Zacarias não abriria a boca. Solta-se a língua, porque nasce aquele que é a voz. Com efeito, quando João já anunciava o Senhor, perguntaram-lhe: Quem és tu? (Jo 1,19). E ele respondeu: Eu sou a voz do que clama no deserto (Jo 1,23). João é a voz; o Senhor, porém,no princípio era a Palavra (Jo 1,1). João é a voz no tempo; Cristo é, desde o princípio, a Palavra eterna.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Catequese do Papa Francisco: "O que quer dizer 'Povo de Deus'" ?

 

Roma,

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!  

Hoje gostaria de concentrar-me brevemente sobre um dos termos com o qual o Concílio Vaticano II definiu a Igreja, aquele do “Povo de Deus” (cfr. Const. Dog. Lumen Gentium, 9; Catecismo da Igreja Católica, 782). E o faço com algumas perguntas, sobre as quais cada um poderá refletir.

1. O que significa dizer ser “Povo de Deus”? Antes de tudo quer dizer que Deus não pertence propriamente a algum povo; porque Ele nos chama, convoca-nos, convida-nos a fazer parte do seu povo, e este convite é dirigido a todos, sem distinção, porque a misericórdia de Deus “quer a salvação para todos” (1 Tm 2, 4). Jesus não diz aos Apóstolos e a nós para formarmos um grupo exclusivo, um grupo de elite. Jesus diz: ide e fazei discípulos todos os povos (cfr Mt 28, 19). São Paulo afirma que no povo de Deus, na Igreja, “não há judeu nem grego… pois todos vós sois um em Cristo Jesus” (Gal 3, 28). Gostaria de dizer também a quem se sente distante de Deus e da Igreja, a quem está temeroso ou indiferente, a quem pensa não poder mais mudar: o Senhor chama também você a fazer parte do seu povo e o faz com grande respeito e amor! Ele nos convida a fazer parte deste povo, povo de Deus.

2. Como tornar-se membros deste povo? Não é através do nascimento físico, mas através de um novo nascimento. No Evangelho, Jesus diz a Nicodemos que é preciso nascer do alto, da água e do Espírito para entrar no Reino de Deus (cfr Jo 3, 3-5). É através do Batismo que nós somos introduzidos neste povo, através da fé em Cristo, dom de Deus que deve ser alimentado e crescer em toda a nossa vida. Perguntamo-nos: como faço crescer a fé que recebi no Batismo? Como faço crescer esta fé que eu recebi e que o povo de Deus possui?

3. Outra pergunta. Qual é a lei do Povo de Deus? É a lei do amor, amor a Deus e amor ao próximo segundo o mandamento novo que nos deixou o Senhor (cfr Jo 13, 34). Um amor, porém, que não é estéril sentimentalismo ou algo vago, mas que é o reconhecer Deus como único Senhor da vida e, ao mesmo tempo, acolher o outro como verdadeiro irmão, superando divisões, rivalidades, incompreensões, egoísmos; as duas coisas andam juntas. Quanto caminho temos ainda a percorrer para viver concretamente esta nova lei, aquela do Espírito Santo que age em nós, aquela da caridade, do amor! Quando nós olhamos para os jornais ou para a televisão tantas guerras entre cristãos, mas como pode acontecer isso? Dentro do povo de Deus, quantas guerras! Nos bairros, nos locais de trabalho, quantas guerras por inveja, ciúmes! Mesmo na própria família, quantas guerras internas! Nós precisamos pedir ao Senhor que nos faça entender bem esta lei do amor. Quanto é belo amar-nos uns aos outros como verdadeiros irmãos. Como é belo! Façamos uma coisa hoje. Talvez todos tenhamos simpatias e antipatias; talvez tantos de nós estamos um pouco irritados com alguém; então digamos ao Senhor: Senhor, eu estou irritado com esta pessoa ou com esta; eu rezo ao Senhor por ele e por ela. Rezar por aqueles com os quais estamos irritados é um belo passo nesta lei do amor. Vamos fazer isso? Façamos isso hoje!

4. Que missão tem este povo? Aquela de levar ao mundo a esperança e a salvação de Deus: ser sinal do amor de Deus que chama todos à amizade com Ele; ser fermento que faz fermentar a massa, sal que dá o sabor e que preserva da corrupção, ser uma luz que ilumina. Ao nosso redor, basta abrir um jornal – como disse – e vemos que a presença do mal existe, o Diabo age. Mas gostaria de dizer em voz alta: Deus é mais forte! Vocês acreditam nisso: que Deus é mais forte? Mas o digamos juntos, digamos juntos todos: Deus é mais forte! E sabem por que é mais forte? Porque Ele é o Senhor, o único Senhor. E gostaria de acrescentar que a realidade às vezes escura, marcada pelo mal, pode mudar, se nós primeiro levamos a luz do Evangelho sobretudo com a nossa vida. Se em um estádio, pensemos aqui em Roma no Olímpico, ou naquele de São Lourenço em Buenos Aires, em uma noite escura, uma pessoa acende uma luz, será apenas uma entrevista, mas se os outros setenta mil expectadores acendem cada um a própria luz, o estádio se ilumina.  Façamos que a nossa vida seja uma luz de Cristo; juntos levaremos a luz do Evangelho a toda a realidade.

5. Qual é a finalidade deste povo? A finalidade é o Reino de Deus, iniciado na terra pelo próprio Deus e que deve ser ampliado até a conclusão, até a segunda vinda de Cristo, vida nossa (cfr Lumen gentium, 9). A finalidade então é a comunhão plena com o Senhor, a familiaridade com o Senhor, entrar na sua própria vida divina, onde viveremos a alegria do seu amor sem medidas, uma alegria plena.

Queridos irmãos e irmãs, ser Igreja, ser Povo de Deus, segundo o grande desígnio do amor do Pai, quer dizer ser o fermento de Deus nesta nossa humanidade, quer dizer anunciar e levar a salvação de Deus neste nosso mundo, que muitas vezes está perdido, necessitado de ter respostas que encorajem, que dêem esperança, que dêem novo vigor no caminho. A Igreja seja lugar da misericórdia e da esperança de Deus, onde cada um possa sentir-se acolhido, amado, perdoado, encorajado a viver segundo a vida boa do Evangelho. E para fazer o outro sentir-se acolhido, amado, perdoado, encorajado, a Igreja deve estar com as portas abertas, para que todos possam entrar. E nós devemos sair destas portas e anunciar o Evangelho.

domingo, 9 de junho de 2013

Aniversariantes de Junho

02/06 - Pe. Antonio de Assis
02/06 - Sem. Antonio Deuzin
04/06 - Pe.Ari Alves
13/06 - Pe. Antonio Garcês
15/06 - Ir. Antonio Machado
18/06 - Sem. Arthur Macena
19/06 - Pe. Silvio Mitozo
22/06 - Pe.Hesiodo Sales
28/06 - Pe. Francisco Ivo

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Meditação do Papa Francisco na festa do Sagrado Coração de Jesus

É preciso deixar-se amar por Deus

Deixar-se amar por Deus com ternura é difícil, mas é a graça que temos que pedir dele. Este foi o convite do papa Francisco na missa desta manhã na Casa Santa Marta.
Concelebrou com ele o bibliotecário da Santa Igreja Romana, dom Jean-Louis Bruguès, e o Pe. Sergio Pagano. Assistiu à missa parte do pessoal do Arquivo Secreto Vaticano.
“Jesus nos amou muito, não com palavras, mas com fatos e com a vida”, repetiu várias vezes o papa na homilia de hoje, solenidade do Sagrado Coração de Jesus, que ele chama de "festa do amor", de um "coração que amou muito". Um amor que, como repetia Santo Inácio, "se manifesta mais nas obras do que nas palavras" e que é especialmente "mais um dar-se do que um receber".
Bases do amor de Deus
“Estes dois critérios”, destacou o papa, “são os pilares do amor verdadeiro”, e é o Bom Pastor quem representa todo o amor de Deus. Ele conhece as suas ovelhas uma por uma, "porque o amor não é abstrato nem geral: é o amor por cada um".
"Um Deus que se torna próximo por amor, que caminha com o seu povo, e esse caminhar chega a um ponto inimaginável. Nunca podemos imaginar que o próprio Deus se torna um de nós e caminha conosco, fica conosco, permanece na sua Igreja, continua presente na Eucaristia, continua na sua Palavra, permanece nos pobres, fica conosco para caminhar! E isto é estar perto: é o pastor perto do seu rebanho, das suas ovelhas, que ele conhece uma por uma".
Explicando uma passagem do livro do profeta Ezequiel, Francisco ressalta outro aspecto do amor de Deus: o cuidado da ovelha perdida e da ovelha ferida e doente:
"A ternura! Deus nos ama ternamente! Nosso Senhor conhece aquela linda ciência das carícias, aquela ternura de Deus. Não se ama com as palavras. Ele se aproxima, chega perto, e nos dá aquele amor com ternura. Proximidade e ternura! Esses dois estilos de Deus que se torna próximo e que dá todo o seu amor inclusive nas menores coisas: com a ternura. E é um amor forte, porque a proximidade e a ternura nos fazem ver a fortaleza do amor de Deus".
Chamados a amar
"Mas vocês amam como eu os amei?", foi a pergunta que o papa destacou, reforçando que o amor deve "ser próximo", deve ser "como o do bom samaritano" e, em particular, ter “o sinal da proximidade e da ternura”. Mas como devolver todo esse amor a Deus? Este foi o outro ponto em que Francisco se concentrou: "amando-o", ficando "perto dele", sendo "ternos com Ele". Mas isto não é suficiente:
"Pode parecer uma heresia, mas é a maior das verdades! Mais difícil do que amar a Deus é deixar-se amar por Ele! A maneira de devolver tanto amor é abrir o coração e deixar-se amar. Deixar que Ele venha até nós e senti-lo perto. Permitir que ele seja terno, que ele nos acaricie. Isso é muito difícil: deixar-se amar por Ele. E é isto o que talvez devamos pedir hoje na missa: Senhor, eu quero te amar, mas me ensina essa difícil ciência, esse difícil hábito de me deixar amar por ti, de te sentir por perto e de sentir a tua ternura! Que o Senhor nos dê esta graça".

Fonte: Zenit

Seminaristas Lazaristas Rezam pela Santificação do Clero


O Seminário do Propedeutico e os seminaristas da etapa da Filosofia, da Província de Fortaleza da Congregação da Missão, realizaram nesta madrugada uma vigília de oração pela santificação do clero. Jesus fez aos seus discípulos este convite: Orai e Vigiai para não cairdes em tentação. Celebramos na fé o Sagrado Coração de Jesus. 
Pe. Gilvan Manuel

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Serviço de Animação Vocacional Vicentino - Regional Norte

Ele sobe à montanha e chama aqueles que ele queria... para os enviar e pregar  Mc 3,13-14 
O GOVOV ( Grupo de Orientação Vocacional Vicentino) realizará nos dias 08 e 09 de junho de 2013 no Seminário São Vicente de Paulo em Belém-PA o encontro vocacional cuja temática trabalhada será “ A dimensão antropológica do chamado”. Além do aspecto teórico, os jovens que participarão do encontro vão conhecer na prática, a experiência pastoral dos seminaristas da Teologia em Águas Lindas - periferia da grande Belém. O caminho que só se “faz caminhando” caracteriza a proposta metodológica do GOVOV. Ao definir o calendário anual para o acompanhamento dos jovens vocacionados na região Norte, a Comissão vai trabalhar com incansável empenho para que também as vocações vicentinas nesta vasta porção do Brasil comecem a renascer. Não interessa que sejam muitas, mas que sejam boas: Como haveria de lembrar São Vicente na oração vocacional, “ Esperança de Israel”.
          A Comissão[1]
  

  Programação  
Dia 08 – SÁBADO
16h00 – Apresentação - José Carlos Olivindo ( 1º ano de Teologia)
16h20 1º Colóquio (A proposta do GOVOV e sua metodologia) - Pe. Adriano, CM 
16h50 2º Colóquio ( A dimensão antropológica do chamado) - Nárion Elécio (1º ano de Teologia)
17h30 - Intervalo
17h40 - Encaminhamentos
18h00 - Espiritualidade Vicentina
18h30 - Jantar
20h00- Filme ( O homem de caridade[2] )
22h00 – Oração


Dia 09 – DOMINGO
7h00 - Saída ( Águas Lindas)
17h00 – Retorno
Neste dia, os vocacionados acompanharão os seminaristas nas atividades programadas nas comunidades da Paróquia Santa Teresinha. Inclusive, na comunidade São Vicente (extremo da periferia) referência pastoral de maior interesse para a Teologia este ano.

[1] . A Comissão Regional Norte é constituída pelos padres Adriano Sousa ( Diretor da Teologia), Raimundo Nonato ( Diretor das Filhas da Caridade – Província da Amazônia, Anderson Sousa ( Vigário Paroquial de São Raimundo Nonato) e os seminaristas Nário Elécio e José Olivindo ( 1º ano da Teologia).

[2] . Drama: “Luigi di Liegro viveu de forma direta os problemas da emigração. O seu próprio pai emigrou para os Estados Unidos em várias ocasiões, de forma infrutífera. Ele fez-se sacerdote para melhor auxiliar os desvalidos de qualquer tipo, gênero, condição e crença. Com a saúde muito debilitada, e enquanto espera que a polícia venha desalojar imigrantes que ocupam o edifício de La Pantanella, Luigi recorda o seu trabalho nas minas da Bélgica junto dos emigrantes italianos, o destacamento para Giano, um subúrbio onde as condições de vida desumanas provocam lutas entre os indigentes, o trabalho à frente das Caritas, a criação de albergues para os sem-abrigo, o auxílio aos primeiros doentes com SIDA, a luta pela integração racial e religiosa... e, sobretudo, a falta de apoio por parte dos diferentes partidos governantes e da própria Igreja”.

domingo, 2 de junho de 2013

Aniversário de Ordenação Presbiteral

O Senhor fez em mim maravilhas! Foi com esse sentimento de gratidão que no dia 31 de maio, na Paróquia São Raimundo Nonato, os padres Anderson e Adriano celebraram o aniversário de ordenação presbiteral.
Foi uma celebração marcada pela Palavra de Deus e pela Santa Eucaristia onde estes missionários tiveram a graça de ouvir as sábias palavras de nosso coirmão, o bispo emérito, Dom Vicente Zico na festa da visitação de Nossa Senhora.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Festa da Visitação de Nossa Senhora

Das Homilias de São Beda, o Venerável, presbítero
(Lib. 1,4: CCL 122,25-26.30) (Séc.VIII)
Maria engrandece o Senhor que age nela
Minha alma engrandece o Senhor e exulta meu espírito em Deus, meu Salvador (Lc 1,46).
Com estas palavras, Maria reconhece, em primeiro lugar, os dons que lhe foram  especialmente concedidos; em seguida, enumera os benefícios universais com que Deus  favorece continuamente o gênero humano.
Engrandece o Senhor a alma daquele que consagra todos os sentimentos da sua vida  interior ao louvor e ao serviço de Deus; e, pela observância dos mandamentos, revela  pensar sempre no poder da majestade divina.
Exulta em Deus, seu Salvador, o espírito daquele que se alegra apenas na lembrança de seu  Criador, de quem espera a salvação eterna.
Embora estas palavras se apliquem a todas as almas santas, adquirem contudo a mais plena
ressonância ao serem proferidas pela santa Mãe de Deus. Ela, por singular privilégio,amava com perfeito amor espiritual aquele cuja concepção corporal em seu seio era a causa de sua alegria.
Com toda razão pôde ela exultar em Jesus, seu Salvador, com júbilo singular, mais do que  todos os outros santos, porque sabia que o autor da salvação eterna havia de nascer de sua  carne por um nascimento temporal; e sendo uma só e mesma pessoa, havia de ser ao  mesmo tempo seu Filho e seu Senhor.
O Poderoso fez em mim maravilhas, e santo é o seu nome! (Lc 1,49). Maria nada atribui a  seus méritos, mas reconhece toda a sua grandeza como dom daquele que, sendo por  essência poderoso e grande, costuma transformar os seus fiéis,pequenos e fracos, em fortes  e grandes. 
Logo acrescentou: E santo é o seu nome! Exorta assim os que a ouviam, ou melhor,  ensinava a todos os que viessem a conhecer suas palavras, que pela fé em Deus e pela  invocação do seu nome também eles poderiam participar da santidade divina e da verdadeira salvação. É o que diz o Profeta: Então, todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo (Jl 3,5). É precisamente este o nome a que Maria se refere ao dizer: 
Exulta meu espírito em Deus, meu Salvador.
Por isso, se introduziu na liturgia da santa Igreja o costume belo e salutar, de cantarem todos, diariamente, este hino na salmodia vespertina. Assim, que o espírito dos fiéis, recordando freqüentemente o mistério da encarnação do Senhor, se entregue com generosidade ao serviço divino e, lembrando-se constantemente dos exemplos da Mãe de Deus, se confirme na verdadeira santidade. E pareceu muito oportuno que isto se fizesse na hora das Vésperas, para que nossa mente fatigada e distraída ao longo do dia por pensamentos diversos, encontre o recolhimento e a paz de espírito ao aproximar-se o tempo do repouso.

Festa de Corpus Christi

Das Obras de Santo Tomás de Aquino, presbítero
(Opusculum 57, In festo Corporis Christi, lect. 1-4) (Séc.XIII)
Ó precioso e admirável banquete!O unigênito Filho de Deus, querendo fazer-nos participantes da sua divindade, assumiu nossa natureza, para que, feito homem, dos homens fizesse deuses. 
Assim, tudo quanto assumiu da nossa natureza humana, empregou-o para nossa salvação. Seu corpo, por exemplo, ele o ofereceu a Deus Pai como sacrifício no altar da cruz, para nossa reconciliação; seu sangue, ele o derramou ao mesmo tempo como preço do nosso resgate e purificação de todos os nossos pecados.
Mas, a fim de que permanecesse para sempre entre nós o memorial de tão imenso benefício, ele deixou aos fiéis, sob as aparências do pão e do vinho, o seu corpo como alimento e o seu sangue como bebida. Ó precioso e admirável banquete, fonte de salvação e repleto de toda suavidade! Que há de mais precioso que este banquete? Nele, já não é mais a carne de novilhos e cabritos que nos é dada a comer, como na antiga Lei, mas é o próprio Cristo, verdadeiro Deus, que se nos dá em alimento. Poderia haver algo de mais admirável que este sacramento?
De fato, nenhum outro sacramento é mais salutar do que este; nele os pecados são destruídos, crescem as virtudes e a alma é plenamente saciada de todos os dons espirituais.
É oferecido na Igreja pelos vivos e pelos mortos, para que aproveite a todos o que foi instituído para a salvação de todos.
Ninguém seria capaz de expressar a suavidade deste sacramento; nele se pode saborear a doçura espiritual em sua própria fonte; e torna-se presente a memória daquele imenso e inefável amor que Cristo demonstrou para conosco em sua Paixão.
Enfim, para que a imensidade deste amor ficasse mais profundamente gravada nos corações dos fiéis, Cristo instituiu este sacramento durante a última Ceia, quando, ao celebrar a Páscoa com seus discípulos, estava prestes a passar deste mundo para o Pai. A Eucaristia é o memorial perene da sua Paixão, o cumprimento perfeito das figuras da Antiga Aliança e o maior de todos os milagres que Cristo realizou. É ainda singular conforto que ele deixou para os que se entristecem com sua ausência.

domingo, 19 de maio de 2013

Familia Vicentina (Regional Belém) - Convite


Regional Belém
 Prezados irmãos(as) em São Vicente de Paulo, 
Este ano, por excelência, estamos vivenciando o ano da fé. No dizer do Santo padre o Papa Emérito Bento XVI este ano quer  ser “ um convite para uma autêntica e renovada conversão ao Senhor, único Salvador do mundo...  Ao longo deste tempo, manteremos o olhar fixo sobre Jesus Cristo, «autor e consumador da fé» (Heb 12, 2): n’Ele encontra plena realização toda a ânsia e anélito do coração humano. A alegria do amor, a resposta ao drama da tribulação e do sofrimento”
Na Igreja, vivemos nossa fé na Pessoa de Jesus Cristo imbuídos (as) do carisma de São Vicente e Santa Luiza que viveram autenticamente essa fé no amor e no serviço aos mais pobres; portanto esse ano da fé para nós vicentinos significa não só fortalecer nossa fé no Deus da Vida mas, também, cada vez mais vive-la através da caridade(amor): concretude da fé.
Estamos convidando todos s ramos da família vicentina em Belém para uma tarde de formação em torno do tema: “ A fé de (em)  São Vicente de Paulo”, assessorado pela leiga Orlanda Rodrigues Alves, ex sub secretaria da CNBB – regional Norte II. Essa formação será na paróquia da Imaculada Conceição – dos missionários Lazaristas, que fica a rua Snapp , 09 – no conjunto Gleba III, bairro castanheira, as 15 hs.
Como você chegar: descer no inicio da Av. Augusto Montenegro, próximo ao entroncamento, no colégio Madre Celeste, pegando a primeira rua a direita você  verá já a placa indicativa da paróquia. Qualquer dúvida ligar para: 32774642 e 8180-1187.
                                                                                                                                          Atenciosamente,
Pe. Raimundo Nonato Cândido da Silva.CM